Estes são os itens que você usa todos os dias que estão fazendo com que a epidemia de plástico triplique no mundo

Estes são os itens que você usa todos os dias que estão fazendo com que a epidemia de plástico triplique no mundo

Até 2060, o ritmo de consumo de plástico em nosso planeta poderá triplicar em relação a hoje, passando de 460 milhões de toneladas registradas em 2019 para mais de 1.230 milhões de toneladas esperadas até 2060. Este é o alarme preocupante lançado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) ) em um novo relatório.

Os autores do relatório, que vem na sequência de um relatório anterior sobre o mesmo tema publicado em fevereiro passado, tentou ser perspicaz e olhar para nossos hábitos em um cenário global que pode se materializar nas próximas décadas, se continuarmos a produzir e jogar fora objetos de plástico em ritmo crescente de hoje.

Mas não é só isso: além de prever quais resíduos aumentarão seu peso no planeta e em quais regiões do mundo ele se concentrará, os pesquisadores elaboraram uma série de propostas concretas destinadas aos governos para conter ou eliminar a dispersão do plástico no ambiente.

Por um lado, é necessário impor impostos ad hoc sobre as embalagens plásticas como forma de dissuasão do seu uso, por outro lado, para apoiar economicamente práticas virtuosas como a reciclagem de materiais em fim de vida ou a reparação de objetos quebrados antes que eles terminem em aterros sanitários.

Entretanto, temos de repensar a nossa forma de produzir plástico se quisermos tornar este material cada vez mais sustentável tanto ao nível das matérias-primas como dos processos de produção. Nesse campo, as tecnologias avançaram muito nas últimas décadas, mas muito pode e ainda precisa ser implementado.

A OCDE também aponta o dedo para a falta de um esforço coordenado em todas as áreas do globo: atualmente, apenas 13 países do mundo têm um sistema de incentivos estatais para a correta triagem de resíduos plásticos e apenas 25 também têm políticas de incentivo. enquanto em cerca de 120 países existe a proibição do uso de plástico descartável como medida preventiva contra os resíduos plásticos.

Por outro lado, nos países em desenvolvimento, eles ainda não possuem tecnologia e financiamento suficientes para lidar com o problema do descarte de plástico. Para vencer esta batalha, é necessária uma ação coordenada de todos os governos do mundo, sublinha a OCDE, e a igualdade das políticas de reciclagem e eliminação parece ainda mais inatingível do que a própria eliminação definitiva dos resíduos.

A natureza do problema

O relatório publicado em fevereiro destacou quais objetos de plástico têm maior impacto no fenômeno. Os produtos plásticos de uso único ou de vida muito curta (5 anos) representam mais da metade de todos os resíduos plásticos: a maioria vem de embalagens ou utensílios de mesa, enquanto o restante é de produtos comumente usados ​​(brinquedos, escovas de dentes, esponjas …) ou dos tecidos das nossas roupas.

  • Embalagem (por exemplo, garrafas PET e embalagens de alimentos), 40%
  • Outros itens comumente usados: brinquedos, escovas de dentes, esponjas, 12%
  • Tecidos, 11%

Mas o que acontece com todos os resíduos plásticos que são produzidos todos os anos? Metade deles acaba armazenado em aterros sanitários, enquanto quase um quarto está disperso no meio ambiente (queimado ilegalmente e altamente poluente, disperso em cursos d’água ou oceanos). Pouco menos de 20% de todo o plástico produzido anualmente é devidamente incinerado e apenas 9% reciclado.

Com 25 anos e licenciada em Línguas Estrangeiras. Sempre esteve atenta às questões ambientais e visando um estilo de vida eco-sustentável. No seu pequeno caminho tenta minimizar a pegada ambiental com escolhas responsáveis, respeitando a natureza que a cerca.