Belém do Brejo do Cruz

Belém do Brejo do Cruz

Localizada a 389 km da capital paraibana, Belém do Brejo do Cruz se destaca pela plantação de hortaliça e produção de leite

Município teve origem em 1850 Na próxima terça-feira, a população estará comemorando os 60 anos de emancipação política da cidade.

A origem do município data de 1850, quando a Família Viana, procedente do município de Sousa, instalou- se num pequeno sítio denominado Belém. A pequena propriedade ficava localizada onde hoje está edificada a cidade de Belém do Brejo do Cruz.

A origem do seu nome primitivo “Belém” não é conhecida, mas tudo leva a crer que foi influência da história sagrada, da qual muito se ouvia a afirmativa “Cristo nasceu em Belém”. Anos depois, o lugar tornou-se bastante conhecido devido as excelentes qualidades de suas terras e, também, com a chegada de outras famílias, que se instalaram no local para explorar a agricultura e a criação de gado.

O comércio local se intensificou após a instalação do barracão do comerciante Antônio Pedro, entre 1890 e 1900. Em seguida, no ano de 1920, foi lançada em um galpão, a feira livre semanal. E logo depois, em 1928, uma pequena indústria de beneficiamento de algodão foi instalada no local, consolidando o desenvolvimento local.

Na época, o distrito então denominado Belém pertencia ao município de Brejo do Cruz, que foi elevado à categoria de município com a denominação de Belém do Brejo do Cruz, pela Lei Estadual nº 2674, de 22 de dezembro de 1961. Mas antes, o povoado teve vários nomes: Belém, Bom Jesus, Taiassuí e finalmente Belém do Brejo do Cruz, que conserva o nome até os dias atuais.

Construção do século XIX é o local mais visitado por turistas

O principal ponto turístico de Belém do Brejo do Cruz é ‘o Sobrado’, uma construção arquitetônica do século XIX, localizado a um quilômetro da cidade em um sítio arqueológico. Segundo historiadores, o prédio foi construído pelos escravos. É o local mais visitado e fotografado pelos turistas que chegam à cidade. Ele faz parte da história do legendário cangaceiro Jesuíno Brilhante (1844-79), morto nas proximidades, durante uma fatídica emboscada comandada pelo cabo Preto Limão. Abandonado há vários anos, a relíquia imperial de fantásticas estórias, contadas de geração para geração, mantém-se como testemunha da história do Sertão, resistindo ao tempo no meio da Caatinga.

O padroeiro São Sebastião dá nome à igreja matriz

O padroeiro da cidade São Sebastião dá o nome à centenária igreja matriz, um dos pontos turísticos. Um dos cidadãos belenenses mais folclóricos é o “Chiquito do Fole”, 98 anos e, segundo o prefeito, ainda toca fole. Já o grupo musical mais famoso da cidade é a “Banda Brilhantes do Forró”. É considerada o destaque cultural da região.

Pertence à Região Geográfica Intermediária de Patos e à Região Geográfica Imediata de Catolé do Rocha, Belém do Brejo do Cruz se situa a 30 km de Catolé do Rocha, a maior cidade nos arredores. O município também está localizado na divisa entre os estados da Paraíba e Rio Grande do Norte. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), m 2009, sua população era estimada em 7.342 habitantes e sua área territorial é de 603 km². Além do algodão, os agricultores do município plantam para o consumo próprio e comercializam na feira livre, feijão, arroz, milho e trigo.

Ainda de acordo com o prefeito, 70% da cidade tem as ruas pavimentadas e calçadas e as avenidas principais são asfaltadas. “As festas que mais atraem moradores dos municípios vizinhos são o São Pedro, mais conhecida como ‘João Pedro’, tido como o mais festejado da região e a festa do Natal que se inicia no dia 21 de dezembro e termina no dia do réveillon, com muita festa em praça pública.