Pesquisadores descobrem presença de cavalos-marinhos na laguna de Araruama (RJ)

Pesquisadores descobrem presença de cavalos-marinhos na laguna de Araruama (RJ)

O animal é considerado um bioindicador, ou seja, a presença mostra que a qualidade da água é muito boa ou ótima. As prefeituras da Região dos Lagos instalaram placas para tentar conscientizar população sobre a preservação dessas espécies.

Pesquisadores descobriram a presença de cavalos-marinhos em um dos cartões-postais do estado do Rio: com 220 quilômetros quadrados de extensão, a laguna de Araruama banha seis municípios da Região dos Lagos do Rio

Depois de décadas colapsada por causa do despejo irregular de esgoto, a laguna voltou a ter boas condições de balneabilidade por dois motivos, segundo os pesquisadores da Universidade Estadual do Rio de Janeiro: projetos de saneamento básico e a diminuição de banhistas durante a pandemia. Os cientistas da Uerj estudam, há um ano, a presença de animais marinhos em locais hipersalinos, com mais concentração de sal que a água do mar.

“Em 2021, a gente começou a receber pelas nossas redes sociais um monte de imagem, de relato da ocorrência de cavalo-marinho aqui na Lagoa de Araruama, e a gente achou isso muito estranho, porque nunca tinha sido reportado nenhum cavalo-marinho nessa região. E, para a nossa surpresa, a gente achou uma população gigantesca de cavalos-marinhos aqui na região”, descreve Natalie Freret-Meurer, coordenadora do projeto Cavalo-Marinho.

Os pesquisadores encontraram cavalos-marinhos de diferentes espécies, como o da Patagônia, um animal raro em águas hipersalinas. Os especialistas coletaram um pequeno fragmento da nadadeira do animal para estudos.

O cavalo-marinho é considerado um bioindicador. Isso quer dizer que a presença dele na laguna de Araruama mostra que a qualidade da água é muito boa ou ótima. E, para preservar uma espécie tão sensível, prefeituras das cidades da Região dos Lagos estão instalando placas para conscientizar a população.

“Por ser um animal muito pequeno e muito sensível e, ao mesmo tempo, atraente, um animal bonito, a criançada gosta de pegar. Então, essa placa vem para conscientizar, mostrar que existe todo um trabalho de pesquisa por trás disso, a preservação do animal que estava em extinção é sinal de revitalização da lagoa”, explica Mário Flávio Moreira, secretário de Meio Ambiente de São Pedro da Aldeia.

“O que o monitoramento técnico científico vem comprovando: que a Lagoa de Araruama está em plena recuperação e expansão da balneabilidade do seu corpo hídrico, e isso reflete em produtividade pesqueira, em aumento do turismo, incremento do setor turístico, dos restaurantes, dos quiosques em torno da Lagoa de Araruama e alavancam uma mola propulsora de trabalho emprego e renda”, destaca o biólogo Eduardo Pimenta.