Espécies de café mais populares do mundo estão em extinção e cientistas culpam humanos

Espécies de café mais populares do mundo estão em extinção e cientistas culpam humanos

Mudanças climáticas colocam em risco o futuro de diversos tipos da bebida; café arábica pode ser extinto em menos de 60 anos

Saboreie aquela xícara de café enquanto pode, pois novas pesquisas mostram que 60% das espécies de café encontradas na natureza podem ser extintas em breve.

Pesquisadores do Kew Royal Botanic Gardens, no Reino Unido, alertam que as mudanças climáticas, o desmatamento, as secas e as doenças das plantas estão colocando em risco o futuro do café.

“O importante a lembrar é que o café requer um habitat florestal para sua sobrevivência”, disse o pesquisador sênior Aaron P. Davis à CNN. “Com tanto desmatamento acontecendo ao redor do mundo, as espécies silvestres de café estão sendo impactadas em um ritmo alarmante”, completou.

Davis explicou que as plantas de café crescem em habitats naturais muito específicos, de modo que o aumento das temperaturas e o aumento das chuvas causadas pelas mudanças climáticas podem impossibilitar o cultivo do café em locais onde as plantas costumam prosperar.

“Considerando as ameaças da invasão humana e desmatamento, algumas espécies de café podem ser extintas em 10 a 20 anos, principalmente com a influência adicional das mudanças climáticas”, disse Davis.

O estudo publicado na Science Advances — uma colaboração entre cientistas do Reino Unido e da Etiópia — diz que a moagem diária de café pode ser fortemente prejudicada, a menos que governos e produtores comerciais aumentem as proteções para espécies de café e armazenem mais sementes. Menos colheitas de café significam que a sua xícara matinal pode ficar mais cara e ter um sabor pior.

Grãos de café do tipo Ambongo em processo de deterioração em Madagascar / Foto: Kew Royal Botanic Gardens

O tipo de café mais popular para produção comercial, o arábica, já está na lista de espécies ameaçadas de extinção. A pesquisa anterior de Davis revelou que o café arábica pode ser extinto em menos de 60 anos.

Mas mesmo os tipos menos comuns de café são vitais, disseram os pesquisadores. Preservar uma safra diversificada de plantas de café silvestre é útil para o desenvolvimento de café comercial resistente a mudanças climáticas e pragas.

Para criar plantas geneticamente modificadas, os pesquisadores precisam preservar diversos genes do café.

Os cientistas do Kew dizem que, em comparação com outras plantas, é mais difícil e mais caro manter as sementes de café vivas em bancos de armazenamento. Portanto, concentrar-se em salvar o ambiente natural do café é fundamental.

A Etiópia criou recentemente três novas áreas protegidas em um esforço para salvar o café arábica selvagem, de acordo com Davis. Mas o estudo revela que a maior ameaça é o cultivo de café em Madagascar e na Tanzânia.

“A primeira coisa que você precisa fazer é conservá-los na natureza, então precisamos melhorar a gestão das áreas protegidas”, disse Davis. “E também precisamos designar novas áreas protegidas.”