A biodiversidade de um país continental

A biodiversidade de um país continental

A Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro, localizando-se predominantemente no Nordeste. Originalmente, a Mata Atlântica cobria 15% do território nacional, sendo um dos mais degradados pela ocupação humana

Seis biomas formam o território brasileiro. Saiba onde fica cada um e quais são as suas principais características

O Brasil é formado por seis biomas de características distintas: Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Amazônia, Pampa e Pantanal. Cada umdesses ambientes abriga diferentes tipos de vegetação e de fauna.

Como a vegetação é um dos componentes mais importantes da biota, seu estado de conservação e de continuidade definem a existência ou não de habitats para as espécies, a manutenção de serviços ambientais e o fornecimento de bens essenciais à sobrevivência de populações humanas.

Para a perpetuação da vida nos biomas, é necessário o estabelecimento de políticas públicas ambientais, a identificação de oportunidades para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade.

Caatinga

O ecossistema da Caatinga limita-se apenas ao território brasileiro. Isto significa que sua biodiversidade é única em todo o mundo, encontrando-se apenas no Brasil.

O clima desta região é caracterizado como semiárido, ou seja, o clima predominante nesta área possui baixa umidade, pouca chuva e temperaturas elevadas. Já sobre a vegetação deste local, as plantas são classificadas como xerófilas. Isto é, elas são adaptadas ao clima seco e à pouca quantidade de água. Sendo assim, possuem raízes superficiais para captar o máximo das chuvas e armazenar em seus caules que são protegidos por espinhos.

Devido à enorme variedade de flora neste território, a biodiversidade da Caatinga é a base de diversas atividades econômicas voltadas para fins agropastoris e industriais. Especialmente, nos ramos farmacêutico, de cosméticos, químico e de alimentos.

Apesar de sua importância, o bioma tem enfrentado problema de salinização do solo e a desertificação de grandes áreas. Este problema ambiental acarreta em um processo de redução da vegetação e da capacidade produtiva do solo. Alguns responsáveis por isso são a exploração da vegetação para a produção de lenha e carvão, a contaminação do solo por agrotóxicos e o emprego de técnicas de irrigação inadequadas para o tipo de solo existente.

Cerrado

Em 1988, o cientista ambiental Norman Myers criou o termo hotspot para identificar regiões que concentram os mais altos níveis de biodiversidade da Terra e que são, ao mesmo tempo, as áreas mais ameaçadas do planeta. E o bioma brasileiro denominado Cerrado é considerado um hotspot mundial de biodiversidade. Ocorre, principalmente, no Planalto Central.

A fauna e a flora desta região são compostas de diversas espécies endêmicas, ou seja, que não ocorrem em outro lugar do planeta.

A vegetação é composta por pequenos arbustos e árvores retorcidas com casca grossa em razão do excesso de alumínio no solo, que ocasiona em uma alta acidez na terra.

Atualmente, este bioma sofre com a agropecuária, que fez aumentar a deterioração de uma terra já ferida com o garimpo, a contaminação dos rios por mercúrio, a erosão do solo e o assoreamento dos cursos de água.

Mata Atlântica

O bioma Mata Atlântica ocupa aproximadamente 13% do território brasileiro. Por se localizar na região litorânea, ocupada por mais de 50% da população brasileira, é o bioma mais ameaçado do Brasil. Apenas 27% de sua cobertura florestal original ainda está preservada.

Amazônia

O bioma Amazônia ocupa cerca de 49% do território brasileiro. A Amazônia possui a maior floresta tropical do mundo, equivalente a 1/3 das reservas de florestas tropicais úmidas que abrigam a maior quantidade de espécies da flora e da fauna. Contém 20% da disponibilidade mundial de água e grandes reservas minerais. O delicado equilíbrio de suas formas de vida são muito sensíveis à interferência humana.

Porém, todos os anos esta área perde milhares de quilômetros quadrados de vegetação, especialmente pelo corte de árvores e pelas queimadas.

A floresta tem sido derrubada para a exploração de madeiras exóticas, agropecuária e mineração.

Pampa (Campos Sulinos)

O Pampa está restrito ao estado do Rio Grande de Sul. Os Pampas são vastas extensões de campos limpos, de solo coberto por gramíneas e pontilhado de pequenos arbustos, onde proliferam milhares de espécies de plantas, mamíferos e aves. Entretanto, a ocupação humana acelerada e o emprego de técnicas não sustentáveis de cultivo e criação resultam na formação de posareais em algumas regiões. Este bioma sofre com a caça predatória e o bombeamento das águas de rios e lagos.

Pantanal

Este bioma é considerado uma área de transição entre a Amazônia, Mata Atlântica e o Cerrado. Além disso, sofre influência do bioma Chaco, nome dado ao Pantanal localizado no norte do Paraguai e leste da Bolívia. Este mosaico de ecossistema intercala regiões de cerrado e floresta úmida, além de áreas aquáticas e semiaquáticas. Quanto à vegetação, podem ser identificados três tipos de territórios: as alagadas, as periodicamente alagadas e as que não sofrem inundação.

Nas áreas alagadas, a vegetação de gramíneas desenvolve- se no inverno e serve de alimento para o gado. Nas de eventuais inundações, encontram-se além da vegetação rasteira, arbustos e palmeiras. Nas que não sofrem alagamentos, predominam os cerrados e espécies arbóreas da floresta tropical.

As transformações no Pantanal são lentas, mas implacáveis. A degradação agravou-se com o crescimento das cidades e a ocupação da cabeceira de importantes rios que cortam a região. A navegação nos rios Paraguai e Paraná põe em risco as frágeis matas ciliares. Mas a maior ameaça vem da agropecuária: as queimadas para renovação das pastagens, a contaminação das águas e do solo por pesticidas e a introdução de espécies exóticas de capim. Ainda, o turismo desorganizado, a caça e a pesca predatória completam o pacote de problemas enfrentado pelo bioma.

Fonte:  A União