26 mil toneladas de resíduos da Covid-19 foram parar nos oceanos

26 mil toneladas de resíduos da Covid-19 foram parar nos oceanos

Outros danos colaterais da pandemia Covid-19 estão associados a resíduos antigos. Um estudo mostrou que grandes quantidades de deslocamento acabarão em nossos oceanos. São equivalentes a 2.000 ônibus dois andares cheios de lixo.

Os dados são realmente preocupantes porque mostram a capacidade de poluir que nós humanos temos e em tão pouco tempo. De acordo com um relatório publicado por The Guardian, Menos de 2 anos após o início da Covid-19, mais de 26.000 toneladas de resíduos plásticos relacionados à pandemia, como máscaras e luvas, acabaram no oceano.

The Guardian faz uma comparação muito útil para entender a magnitude dessa poluição oceânica causada pela pandemia. Isso representa mais de 2.000 ônibus de dois andares com resíduos e, em poucos anos, algumas dessas luvas de plástico e materiais de embalagem de compras pandêmicas podem estar fervilhando no Pólo Norte.

A nota da mídia inglesa refere-se a um estudo publicado por PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America), que revelou que 193 países produziram cerca de 9,2 milhões de toneladas de lixo plástico associado à pandemia desde o início até meados de agosto de 2021.

A maior parte é lixo hospitalar

A pesquisa conseguiu apurar que, dessa massa de resíduos que acabou no mar, cerca de 87,4% foi destinada a hospitais e 7,6% a particulares. As embalagens e os kits de teste representaram cerca de 4,7% e 0,3% dos resíduos, respectivamente. O lixo plástico mal administrado, que consiste em equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas, excede em muito a capacidade dos países de processá-lo adequadamente, segundo os pesquisadores.

Yiming Peng e Peipei Wu, da Universidade de Nanjing, autores do estudo “magnitude e impacto dos resíduos plásticos associados à pandemia”, apontaram que “a pandemia de Covid-19 causou um aumento na demanda por plásticos de uso único que intensifica a pressão sobre um problema global de resíduos plásticos que já está fora de controle. Os plásticos liberados podem ser transportados por longas distâncias no oceano, encontrar animais selvagens marinhos e, potencialmente, causar ferimentos ou até mesmo a morte. ”

Em março passado, foi descoberto o primeiro caso de um peixe preso em uma luva médica, encontrado durante a limpeza de um canal em Leiden (Holanda). No Brasil, uma máscara protetora PFF-2 foi encontrada no estômago de um pinguim de Magalhães morto. Uma das conclusões da pesquisa indica que até o final do século quase todos os plásticos associados à pandemia vão parar no fundo do mar ou nas praias.

Os resíduos chegaram ao mar transportados por 296 rios importantes

Pesquisadores da China conseguiram mostrar que 46% dos resíduos plásticos mal administrados vieram da Ásia, devido ao alto índice de uso de máscaras por indivíduos daquele continente, seguido pela Europa, com 24%, e América do Norte e do Sul, com 22%. A maior parte do plástico vem de resíduos médicos gerados por hospitais, o que supera a contribuição de equipamentos de proteção individual e material de embalagem das compras online.

Lixo hospitalar
A principal contaminação que atingiu o mar corresponde a resíduos hospitalares.

Essa realidade se soma ao problema preexistente e representa um problema duradouro para o ambiente oceânico e se acumula principalmente nas praias e sedimentos costeiros. Também mostra que os países têm sérias dificuldades para conter o lixo e a pandemia ajudou a entender a rapidez do processo.

O relatório também dá uma pista de como esses resíduos chegaram aos oceanos. As milhares de toneladas de máscaras, luvas, kits de teste e protetores faciais que vazaram para os oceanos desde o início da pandemia até agosto deste ano foram transportadas por 369 rios importantes. Os principais rios foram o Shatt al-Arab, no sudeste do Iraque, que carregou 5.200 toneladas de dejetos para o oceano; o rio Indo, que nasce no oeste do Tibete, carregou 4.000 toneladas e o rio Yangtze, na China, 3.700 toneladas. Na Europa, o Danúbio foi o que carregou o lixo plástico mais pandêmico para o oceano: 1.700 toneladas.