UFRJ: soluções para mudança climática não estão à altura dos problemas

UFRJ: soluções para mudança climática não estão à altura dos problemas

Pesquisa do Laboratório Conexões do clima ajudará no apoio da conscientização da população sobre a necessidade e questões ambientais

A pesquisa Mudanças Climáticas e Desenvolvimento Econômico: percepções da população da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, no campus da Praia Vermelha da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), revela a defasagem entre a gravidade do problema e o tipo de solução que as pessoas conseguem vislumbrar sobre os efeitos do aquecimento global em seu dia a dia.

A sondagem qualitativa foi feita pelo Laboratório Conexões do Clima, do Fórum de Ciência e Cultura da instituição, em março, e fez um diagnóstico sobre como as classes B e C percebem estes efeitos.

“Todo mundo vê que é um problema grave, que é um problema enorme, mas a solução é, ao mesmo tempo, ou abstrata ou individual. Não está à altura nem do tamanho nem da gravidade do problema”, disse à Agência Brasil a coordenadora do Fórum de Ciência e Cultura, Tatiana Roque. “O principal é isso: as pessoas veem o problema, mas não sabem qual é a solução”.

A pesquisa envolveu oito grupos focais, cada um com 8 a 10 pessoas, com idades entre 18 e 50 anos, das classes B e C. A partir daí, foram estabelecidas dinâmicas com debates de até duas horas de duração com cada grupo.

Desastres

Uma segunda conclusão importante é que uma das principais maneiras pelas quais o problema das mudanças climáticas chega às pessoas é por meio dos desastres ambientais, como as enchentes provocadas pelas chuvas em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro; na Bahia e em Minas Gerais, além das queimadas.

“Isso as pessoas citaram como questão importante e recorrente que, em geral, elas enxergam como associadas às mudanças climáticas, sim. Embora isso seja um problema muito antigo, as pessoas sabem que está ficando mais frequente, mais recorrente e mais intenso com as mudanças climáticas. Só que elas não sabem o que fazer”.

Segundo a coordenadora, há percepção de que algo grave está acontecendo, com mais desastres, chuvas mais fortes e mais frequentes, e estações do ano mais indefinidas. “Apesar de não haver dentro desse grupo pesquisado uma formulação mais precisa sobre o tema, há uma percepção instintiva de que vivemos uma crise ambiental grave e que as consequências podem ser devastadoras”, explicou

Perfil

A pesquisa reuniu oito grupos focais, cada um formado por oito a dez a pessoas com idades entre 18 e 50 anos, das classes B e C. A partir daí, foram estabelecidas dinâmicas com debates de até duas horas de duração com cada grupo. Tatiana Roque explicou que os grupos têm perfil bem parecido e, portanto, não houve distinções entre eles. “Escolhemos esse perfil porque são pessoas que, em geral, são mais fluidas, mudam de posição política, não têm uma posição política definida. A gente não queria pessoas identificadas com uma preferência política, para poder entender como pensam as pessoas do meio, as nem-nem”.

Na maioria, os entrevistados associam problemas, como as enchentes, ao problema dos resíduos, ou lixo, que a própria população joga nas ruas, rios e mares. “Elas associam as enchentes às mudanças climáticas também, sabem que isso vai ficar mais grave. Elas sabem que uma maneira de, pelo menos, resolver os efeitos disso seria cuidando do lixo, mas elas não veem mais esperança no Poder Público. Elas só veem como solução as ações individuais. Essa foi uma coisa bem surpreendente da pesquisa”.

Tatiana acrescentou que os entrevistados percebem também a desigualdade existente no tratamento ou enfrentamento do problema. Ou seja, se uma pessoa perde tudo, mas tem mais condições, ela vai poder comprar tudo de novo. As pessoas mais pobres, não podem. O problema afeta diferentemente as pessoas mais pobres e aquelas com mais condições financeiras.

A conclusão da pesquisa é que “é preciso territorializar o debate climático e ambiental, aterrissar as questões, torná-las mais palpáveis e relacionadas com os problemas quotidianos e com o modelo econômico, que não é visto como relacionado às questões ambientais e climática. Essas ainda têm algo de etéreo e abstrato diante de urgência cotidianas”, disse Tatiana.

Conscientização

A pesquisa do Laboratório Conexões do Clima vai mostrar como os pesquisadores da UFRJ que trabalham sobre esse tema das mudanças do clima podem ajudar na conscientização da população sobre a necessidade e a urgência de enfrentar esse problema. Tatiana Roque disse que, a partir daí, vão delinear ações que possam ser feitos a partir da universidade, especialmente aquelas relativas à educação ambiental visando aumentar a possibilidade de engajamento das pessoas para enfrentar essa questão.

O Fórum de Ciência já está fazendo um curso para jovens sobre mudanças do clima em vários territórios do estado do Rio de Janeiro e o núcleo da capital pretende realizar no dia 11 de junho uma mobilização sobre a questão da despoluição da Baía de Guanabara, que também foi um tema muito citado na pesquisa. Esse é um caso que evidencia a má educação do povo que joga lixo e polui, por um lado; e a ineficiência das políticas públicas, por outro.

Além disso, o Laboratório de Conexões do Clima vai efetuar ações na Semana do Meio Ambiente, no período e 6 a 14 de junho, em alusão ao Dia Internacional do Meio Ambiente, que se comemora no dia 5 daquele mês. A programação ainda está sendo elaborada, mas já estão previstas iniciativas no Museu Nacional e palestras e debates pina própria UFRJ.