Turismo de aventura registra crescimento durante a pandemia

Turismo de aventura registra crescimento durante a pandemia

Procura por recantos do estado que ofereçam aventura e lazer ao ar livre, com segurança e em contato direto com a natureza, aumentou cerca de 50%, avalia PBTur.

As restrições impostas desde o início da pandemia, em março de 2020, com medidas preventivas para evitar a propagação do vírus, mantiveram um grande número de pessoas em casa, sem a possibilidade de sair para o convívio com família, amigos e, principalmente, sem poder viajar. Com o controle dos números e avanço da vacinação, o retorno à normalidade tem sido uma realidade. Na Paraíba, com medidas mais brandas, a população voltou a procurar destinos turísticos e os favoritos são os relacionados à aventura, de preferência, em contato com a natureza.

Segundo Ruth Avelino, presidente da Empresa Paraibana de Turismo (PBTur), a estimativa é que a busca pelo turismo de aventura tenha crescido entre 40% e 50% no Estado. A explicação mais plausível para a crescente leva em consideração os próprios limites impostos pela pandemia da covid-19.

“Hoje, as pessoas procuram mais as modalidades turismo de aventura, turismo ecológico, turismo rural. Esse tipo de turismo que proporciona maior experiência, faz com que as pessoas tenham maior vivência no lugar, com as atividades oferecidas, além da convivência com a natureza, com o meio ambiente em lugares abertos. Esse aumento está relacionado com a pandemia. As pessoas estão querendo viajar, já estão viajando, mas estão procurando realmente lugares mais abertos, sem aglomeração, uma coisa mais ligada à natureza”, avaliou Ruth Avelino.

O Ministério do Turismo define que o turismo de aventura compreende os movimentos turísticos decorrentes da prática de atividades de aventura de caráter recreativo e não competitivo. A prática não envolve situações de perigo à vida dos praticantes, pelo contrário. Com acompanhamento de profissionais qualificados e rotas certificadas, o turismo de aventura propicia experiências físicas, sensoriais, desafiadoras e de liberdade.

A jornalista Cecy Macedo, de Campina Grande, pratica o turismo de aventura há, aproximadamente, cinco anos. Mas foi durante o período pandêmico que a busca pela modalidade foi intensificada.

“Durante a pandemia, a prática se intensificou. Obviamente, bem no início, parei qualquer tipo de viagem, mas com o tempo, fui procurando lugares mais desertos, afastados e que permitissem um contato maior com a natureza. Cada vez mais me interesso e pesquiso sobre lugares que me conectem com a natureza”, declarou a jornalista.

Economia apresenta impactos positivos

Além da prática em si, o turismo de aventura tem sido um considerável fator de escape para a retomada da economia em cidades menores.

De acordo com Ruth Avelino, o afastamento dos grandes centros, na busca pela natureza, leva o desenvolvimento a estes locais.

“O turismo movimenta muito a economia de uma cidade, de um estado, de um país, não só o turismo de aventura, mas todo ele. O turismo de aventura, que é muito interessante, é praticado geralmente numa zona afastada do centro da cidade, em uma zona rural, por exemplo. Então, acaba movimentando uma cadeia muito importante, porque mexe com agricultores, pequenos produtores… As pessoas que vivem no interior do Estado têm percebido esse impacto”, confirmou a presidente da PBTur.

Ayton Kelly Santos, turismólogo, observa ainda que a intensificação da modalidade vem gerando ações integradas entre os municípios paraibanos. “Começou a crescer muito, do Litoral ao Sertão. Todas as cidades que têm uma serra, uma formação rochosa imponente, começaram a trabalhar nessa perspectiva, e as agências de turismo de aventura e ecoturismo cresceram. É um momento muito bom do turismo no interior, e a Paraíba tem se destacado nesse quesito. Nessa perspectiva, os municípios vêm trabalhando integrados, criando suas rotas. Como Agreste-Cariri, fomentando agora uma rota dos lajedos; também a rota Cariri Cultural, que também tem essa questão do ecoturismo, turismo de aventura”, ressaltou o turismólogo.

Rico em paisagens naturais, o Brasil como um todo tem observado o turismo de aventura como uma das primeiras opções do viajante. Os roteiros compreendem atividades como trilhas, escaladas, rafting, mergulho, arvorismo, entre outras. Os destinos são indicados para quem curte adrenalina, mas também para quem procura contato com a natureza e o prazer da contemplação.

Para entrar no mundo da aventura e explorar a natureza, é necessário buscar informações sobre os destinos, executar o planejamento com antecedência, contratar serviços de confiança e, principalmente, utilizar todos os equipamentos adequados em orientação dos técnicos.

Destinos para conhecer na Paraíba

Parque Estadual Pico do Jabre (Maturéia)

A cidade de Maturéia, localizada na Região Metropolitana de Patos, no Sertão da Paraíba, sedia o Parque Estadual Pico do Jabre, o ponto mais alto da Paraíba. É também conhecida como a capital paraibana do voo livre, com parapente, asa delta, voos de paramotor e rapel.

Complexo Arqueológico Pedra do Altar (Barra de Santana)

Oferece diversas opções para o público de turismo de aventura e ecológico, como a realização de trilhas ecológicas. O turista vai encontrar, ainda, sítios arqueológicos, caatinga preservada e formações rochosas.

Pedra do Bico (Queimadas)

Praticantes de trilha, pedal e rapel têm um ponto fixo de encontro na região de Campina Grande. A Pedra do Bico, na cidade de Queimadas, oferece vista satisfatória do pôr do sol e das cidades do Agreste paraibano.

Serra do Peru (Monteiro)

O local é conhecido pelos praticantes de rapel, escalada e trilhas ecológicas. É um local procurado, principalmente, por interessados em praticar esportes e com o contato intenso com a natureza.

Parque Estadual Pedra da Boca (Araruna)

O Parque é uma reserva ecológica e ambiental que apresenta um dos mais importantes patrimônios geológicos do Nordeste brasileiro, possuindo área de cerca de 160 hectares. O local é usado para a prática de rapel, trilhas e escaladas. Além disso, em Araruna, ainda se encontram os destinos da Pedra da Caveira, Cânion do Macapá e Cânions da Serra Verde.

Cachoeira de Ouricuri (Pilões)

Começar uma trilha e encerrar com banho de cachoeira. Essa é a promessa dos caminhos que levam os turistas à Cachoeira de Ouricuri, em Pilões, localizado na região imediata a Guarabira.

Trilha dos Potiguaras (Litoral Norte)

São áreas remanescentes de Mata Atlântica e ecossistemas associados que agradecem à parcimônia dos processos de desmatamento e à presença dos ecoturistas, que agem como atentos fiscais do meio ambiente. O espaço possibilita trilhas entre Forte Velho e Lucena; Barra de Mamanguape e Rio Tinto; Aldeias e Baía da Traição; e Barra de Camaratuba e Sagi.

Piscinas naturais do Seixas

Com cenário paradisíaco e águas cristalinas, as piscinas naturais do Seixas são as maiores piscinas de corais do Litoral paraibano, onde é possível observar diversos tipos de peixes coloridos, fazendo mergulho com cilindro ou snorkeling. O acesso pode ser feito através de lanchas ou catamarã.

Outros destinos: Pedra do Pico (Taperoá); Pedra da Escada, Tanque Redondo e Lagoa Caraibeira (Baraúnas)