Prevenção à Fuga dos Pets: campanha para evitar sofrimento animal

Prevenção à Fuga dos Pets: campanha para evitar sofrimento animal

Animais de estimação, apesar de domesticados, têm o instinto herdados de seus ancestrais de viverem livres na natureza. Por isso, ao menor vacilo, eles podem escapar para conhecer e explorar novos espaços e territórios.

Infelizmente, o que pode acabar acontecendo é eles ficarem perdidos, vagando pelas ruas, passando fome e sede ou até correndo o risco de serem atropelados.

Para evitar que essas situações aconteçam, o greenMe lança a Campanha: Prevenção à Fuga dos Pets.

Natal e Ano Novo: aumento das fugas dos pets

Essa campanha vem de encontro com esse período de festas de fim de ano, Natal e Ano Novo, em que a fuga de animais de estimação costuma se intensificar.

Por causa do aumento de animais perdidos nas ruas, é preciso conscientização e medidas de prevenção para evitar que isso aconteça.

Causas das fugas de animais no Natal e passagem de ano

As causas que levam ao aumento das fugas e de animais perdidos nesses períodos são:

Viagens

Os humanos aproveitam essas datas para viajar e acabam deixando seus pets sob o cuidado de outras pessoas ou em outros locais, o que pode fazer com que o animal reaja com ansiedade de separação e tenha o ímpeto de fugir por estranhar a situação.

Outra possibilidade é dos tutores levarem seus pets consigo na viagem, ficarem em um lugar diferente e o animal estranhar ou querer explorar o novo território e fugir.

Receber visitas

No Natal e final de ano se intensificam as visitas e nessas de abrir e fechar o portão, o animal pode se aproveitar e dar sua escapadela. Por isso, é preciso ter muita atenção para ver se ele não está por perto, aguardando a oportunidade de sair para a rua.

Festejos com fogos de artifício barulhentos

Infelizmente, ainda existem localidades que os fogos de artifício barulhentos são utilizados para festejar a passagem de ano. E é nessa situação que o animal pode entrar em pânico e sair correndo, sendo capaz de escalar muros e pular o portão.

Se o animal tiver predisposição de reagir com pânico e descontrole ao barulho dos fogos, o recomendável é fechar as portas e janelas da casa e mantê-lo em um lugar que ele se sinta protegido.

Outra alternativa é administrar calmante natural, florais ou  óleo essencial antes da virada do ano, para aliviar a tensão e o nervosismo dele.

Outros motivos que desencadeiam fugas de animais

Além das fugas que se intensificam durante o final de ano, existem outros fatores que contribuem para o animal fugir e ser mais um perdido na rua:

Tédio e maus-tratos

Animais que vivem muito presos, em pouco espaço ou na corrente e passando privações, buscam fugir para se livrar do estado de limitação e mal-estar.

Medo de trovões

Medo de barulhos intensos e trovões, também podem levar o animal a reagir com extremo pânico e querer fugir a qualquer custo.

Cio

Se o animal for macho e não castrado, quando ele sentir o cheiro de uma fêmea no cio, irá instintivamente querer fugir para cruzar com ela. Da mesma forma, se for uma fêmea, ao entrar no cio, ela também terá o instinto de ir para a rua e acabará atraindo muitos animais para cruzar com ela.

Nesses casos, além de ficarem sujeitos à acidentes, perdidos, também, haverá o risco do aumento de animais abandonados, se na pior das hipóteses a procriação da fêmea ocorrer na rua.

Para prevenir que isso aconteça, é recomendável a castração.

A castração também é indicada para evitar doenças, como o câncer (devido à questão hormonal) e acalmar o instinto sexual do animal.

Cuidados para evitar fugas do pet

Dentro dos contextos já apontados e que predispõem o pet a fugir, é recomendável tomar as seguintes precauções:

Plaquinha de Identificação

Se o animal tiver tendência ou fatores que predispõem ele a fugir, é necessário uma plaquinha de identificação na coleira com nome do pet, nome e contato do tutor dele. Dessa forma, se ele fugir, quem o encontrar entrará em contato para avisar sobre o paradeiro do animal.

Portão bem fechado

Manter o portão bem trancado e quando for abrir deixe o animal dentro de casa e só o solte quando trancar o portão.

Outra possibilidade para assegurar de evitar a fuga do animal é chamar um educador de cães para ensinar o pet a parar com esse ímpeto de fuga.

Muro que impeça o animal de pular

Tem animais que, para fugir, escalam portões e pulam muros. Se for este o caso, o aconselhável é levantar o muro, caso seja baixo, ou colocar tela de proteção.

Já em relação ao portão, de repente, a melhor alternativa seja trocá-lo por um mais alto e fechado.

Deixar o animal em local seguro e protegido quando sair

Deixe o animal seguramente protegido em casa se for sair e deixá-lo sozinho.

Promover a tranquilidade e o bem-estar do animal

Falta de atividades lúdicas e de movimentos pode deixar o animal com acúmulo de energia e estressado, fazendo com que ele tenha o ímpeto de correr para fora em busca de aventuras e novidades.

Se ele for um animal muito agitado, promova mais brincadeiras e passeios.

E no caso dele ser nervoso, como orientado anteriormente, há a opção dos calmantes naturais.

E se o animal fugir, o que fazer?

Veja como proceder em caso de fuga do pet:

Divulgar cartazes com foto do animal

Publique a foto do animal em grupos, páginas e sites de animais achados e perdidos, colocando localidade e contato para as pessoas divulgarem e, se alguém encontrá-lo, avisar onde ele está.

Também, é indicado divulgar em rádios e colocar cartazes com a foto dele e contato do seu humano em pets-shop e em comércios locais.

Pesquise na Internet

Realize pesquisa na Internet em páginas, sites e grupos de Animais Perdidos para verificar se há alguma postagem procurando o tutor do animal.

Procurá-lo na redondeza

Outra medida é vasculhar, com frequência, a redondeza para encontrar o animal. Também, se dirija à Ongs e protetores de animais próximos, para verificar se o animal foi resgatado por algum deles.

Observe e conheça o seu animal

Por fim, é importante o tutor conhecer o temperamento e as necessidades de seu animal para evitar sustos e imprevistos. Pois cada animal tem um jeito de ser com tendências ou não a escapar. Dessa forma, cabe ao humano conhecer e ajudar seu animal a viver com mais segurança, bem-estar e tranquilidade.