Poluição plástica: pássaros em todo o mundo estão vivendo em nosso lixo

Poluição plástica: pássaros em todo o mundo estão vivendo em nosso lixo

Aves de todos os continentes, exceto da Antártida, foram fotografadas nidificando ou emaranhadas em nosso lixo.

As fotos foram enviadas por pessoas de todo o mundo para um projeto online chamado Birds and Debris (Aves e detritos).

Os cientistas que executam o projeto dizem que veem pássaros presos – ou nidificando – em tudo, desde cordas e linhas de pesca até fitas de balão e chinelos.

Quase um quarto das fotografias mostra pássaros nidificando ou enredados em máscaras descartáveis.

O foco do projeto é capturar o impacto dos resíduos – principalmente a poluição plástica – no mundo das aves.

Mary Caporal Prior nos EUA capturou esta imagem de um pato-real com uma máscara no pescoço. Fonte: Mary Caporal Prior.
Mary Caporal Prior nos EUA capturou esta imagem de um pato-real com uma máscara no pescoço. Fonte: Mary Caporal Prior.

“Basicamente, se um pássaro constrói um ninho usando materiais fibrosos longos – como algas marinhas, galhos ou juncos – as chances são de que ele tenha detritos humanos em seu ninho em algum lugar”, disse Alex Bond, do Museu de História Natural de Londres e um dos pesquisadores envolvidos.

O projeto, que ele e seus colegas executam há quatro anos, visa chamar a atenção para o problema generalizado dos resíduos plásticos no meio ambiente.

Pombos que nidificam em um canteiro de obras em Sussex fazem uso de abraçadeiras descartadas. Fonte: Matthew Irish.
Pombos que nidificam em um canteiro de obras em Sussex fazem uso de abraçadeiras descartadas. Fonte: Matthew Irish.

“Quando você começa a procurar por essas coisas, você as vê em todos os lugares”, disse ele. “E isso realmente ilustrou o enorme escopo geográfico – tivemos relatórios do Japão, Austrália, Sri Lanka, Reino Unido, América do Norte – é realmente uma questão global”.

Em um estudo recente, a equipe analisou quantas das fotos enviadas apresentam equipamentos de proteção individual (EPIs) relacionados à pandemia. Eles descobriram que os materiais apareceram em quase um quarto das fotografias enviadas.

Máscaras, como esta em uma amarra preta em Cingapura, são os itens relacionados à pandemia mais comuns nas fotografias. Adrian Silas Tay.
Máscaras, como esta em uma amarra preta em Cingapura, são os itens relacionados à pandemia mais comuns nas fotografias. Fonte: Adrian Silas Tay.

“São quase todas as máscaras”, disse o Dr. Bond. “E se você pensar nos diferentes materiais de que uma máscara cirúrgica é feita – há o elástico que vemos enrolado nas pernas dos pássaros ou podemos ver pássaros feridos ao tentar ingerir o tecido ou o pedaço duro de plástico que o prende sobre seu nariz.

“Então, usamos esse termo abrangente de ‘plástico’, mas é toda uma gama de polímeros diferentes, e as máscaras são um bom exemplo disso.”

Muitos pássaros, como este tordo americano encontrado em abril de 2020, são vistos emaranhados nas tiras elásticas das máscaras. Fonte: Jake Kenny.
Muitos pássaros, como este tordo americano encontrado em abril de 2020, são vistos emaranhados nas tiras elásticas das máscaras. Fonte: Jake Kenny.

Os pesquisadores dizem que querem destacar o “problema sistêmico” que leva tantos detritos a acabarem no meio ambiente.

A pesquisadora líder Justine Ammendolia, da Universidade de Dalhousie, no Canadá, disse à BBC News que ver a amplitude do impacto sobre as espécies globalmente foi “devastador”.

“Em abril de 2020, o primeiro avistamento de um pássaro pendurado em uma máscara facial em uma árvore foi registrado no Canadá e os avistamentos se espalharam internacionalmente depois”, disse ela. “Isso realmente demonstra o dano que os humanos são capazes de impor ao meio ambiente em uma janela de tempo muito curta em todo o mundo”.

 

Este galeirão na Holanda é difícil de detectar em meio a todo o lixo em seu ninho. Fonte: Sam M.
Este galeirão na Holanda é difícil de detectar em meio a todo o lixo em seu ninho. Fonte: Sam M.

“Mudar para uma escova de dentes de bambu ou uma sacola de compras de lona não vai salvar o mundo, [porque] a maior parte da produção de plástico em larga escala hoje é comercial e industrial”, disse Bond.

“Portanto, é uma combinação de políticas de cima para baixo e pressão de baixo para cima para dizermos ‘basta’.”

Fonte: Malcolm Jolly.
Fonte: Malcolm Jolly.

A pesquisadora de doutorado Justine Amendolia acrescentou: “Para as pessoas que veem essas imagens pela primeira vez, não há problema em se sentir triste. Mas precisamos aprender com o sofrimento desnecessário e muitas vezes invisível que alguns animais selvagens experimentaram durante a pandemia.

“Espero que as pessoas usem sua tristeza para alimentar sua demanda por ação.”

Os pesquisadores dizem que precisamos aprender com o sofrimento muitas vezes invisível da vida selvagem. Fonte: Joe Chowaniec.
Os pesquisadores dizem que precisamos aprender com o sofrimento muitas vezes invisível da vida selvagem. Fonte: Joe Chowaniec.

O Dr. Bond comparou a ação global necessária para lidar com a poluição plástica ao Protocolo de Montreal que baniu os produtos químicos que destroem a camada de ozônio – um tratado amplamente considerado um dos acordos globais mais bem-sucedidos já assinados.

“Precisamos da mesma coisa com a poluição plástica, e estamos nos movendo nessa direção, mas muito, muito lentamente”.

Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse: 
https://www.bbc.com/news/science-environment-62407026