Periquito Cara-Suja será reintroduzido na Serra da Aratanha no Ceará

Periquito Cara-Suja será reintroduzido na Serra da Aratanha no Ceará

Pacatuba – CE. Mais um passo foi dado para a conservação do Periquito Cara-Suja (Pyrrhura griseipectus), espécie exclusivamente nordestina, cuja ocorrência atualmente se restringe a três pontos do Ceará: Serra de Baturité, Quixadá e Ibaretama. A ave, que encontra-se classificada como “Em perigo crítico” pela Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN), reúne agora esforços de pesquisadores para ser reintroduzida nas matas da Serra da Aratanha, situada no município de Pacatuba, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

A ação é uma extensão do Projeto Periquito Cara-Suja, executado há 15 anos pela Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos (Aquasis), na Serra do Baturité, no Sertão Central do Ceará, onde existe uma Unidade de Conservação (UC) na categoria de Refúgio de Vida Silvestre. A realização culminou no aumento significativo da população da espécie na região, com o auxílio de caixas-ninhos, estratégia muito eficaz para a reprodução dos periquitos em florestas mais jovens que não dispõem de tantos ocos de árvores para abrigá-los.

História e Conservação

Relatos de moradores antigos da Serra da Aratanha apontam que, no passado, o Periquito Cara-Suja foi registrado na região por pesquisadores e naturalistas. Por ter passado por diversos ciclos agrícolas, a serra teve sua cobertura florestal reduzida drasticamente, o que contribuiu para o desaparecimento da espécie.

“Além disso, o naturalista Antônio Bezerra apontou ordens de matanças de psitacídeos expressas por leis, no ano de 1804, que obrigavam lavradores a abater essas aves ‘de bico torto’, por serem consideradas pragas agrícolas, sob pena de multa ou reclusão. Entre os anos de 1877 e 1879, o Ceará sofreu uma grande seca que esgotou seus demais produtos de exportação, restando a fauna silvestre como fonte de renda”, explica Fábio Nunes, biólogo e coordenador do Projeto Periquito-Cara-Suja, desenvolvido pela Aquasis.

O pesquisador também destaca que, em 1876, foi inaugurada a estação ferroviária do município de Pacatuba, onde fica localizada a Serra da Aratanha. A data coincidente com o início do surgimento frequente de Periquito Cara-Suja no mercado europeu de venda de animais exóticos. Catálogos de aves em países como França e Inglaterra constavam gravuras de periquitos cara-suja disponíveis para venda, possivelmente capturados na Serra da Aratanha.

Reintrodução

Os primeiros Periquitos Cara-Sujas que deverão repovoar a Serra da Aratanha serão exemplares selvagens oriundos da Serra de Baturité. Os espécimes serão retirados dos ninhos artificiais durante a noite e colocados em um viveiro de aclimatação construído na Serra da Aratanha. A soltura será feita de forma gradual, de modo que as portas do viveiro de ambientação serão abertas após o período de adaptação, permitindo a saída espontânea das aves.

Por se tratarem de aves de origem de ambiente similar, a expectativa é que o processo de adaptação em um novo ambiente seja rápido. “Os periquitos têm identificação com a dieta local, sabem se defender de predadores, se reproduzirem, etc. Depois de estabelecida a população pioneira, poderão ser utilizados indivíduos provenientes de cativeiro, que receberão todo o conhecimento dos selvagens já estabelecidos,” ressalta Nunes.

De acordo com o coordenador do projeto, a utilização de indivíduos selvagens vindos da Serra de Baturité só será possível devido à boa variabilidade genética dessa população e graças ao crescimento populacional experimentado nos últimos anos, por meio do programa de ninhos artificiais. No último ano, o censo de população da espécie realizado no Maciço do Baturité apontou a presença de 890 indivíduos, distribuídos em 141 ninhos artificiais espalhados em 51 sítios da região.

As caixas-ninhos também serão usadas na Serra da Aratanha, com o objetivo de solucionar dificuldades para além da ausência de ocos naturais que auxiliam a reprodução da espécie, pois os ninhos artificiais facilitam a escolha de locais seguros que dificultam a captura dessas aves para o tráfico, já que na maioria das vezes elas são retiradas dos seus ninhos.

Os ninhos artificiais facilitam a escolha de locais seguros que dificultam a captura dessas aves para o tráfico | Foto: Fábio Nunes

Medalhas de identificação

A reintrodução do Periquito Cara-Suja na Serra da Aratanha vem sendo estudada na pesquisa de Giovanna Rodrigues, bióloga e doutoranda do Programa de Sistemática, Uso e Conservação da Biodiversidade da Universidade Federal do Ceará (UFC).  Um novo método de identificação dos espécimes está sendo testado pela pesquisadora. Diferente das anilhas que geralmente são utilizadas como identificadores, está sendo avaliado o uso de medalhas numeradas que facilitarão identificar cada indivíduo após soltura, além de apresentar dados de sobrevivência e adaptação.

Giovanna detalha que as medalhas funcionam como colares, com placas que são mais visíveis à distância. A pesquisadora esclarece a diferença entre as anilhas geralmente usadas e as medalhas: com as medalhas será possível visualizar dados à distância e não será necessário capturar os espécimes para essa verificação.

“Também vamos monitorar a soltura, avaliar os periquitos, observar alimentação, se usam as caixas-ninho ou encontram ocos naturais para dormir e o quanto dispersam na área. Além das observações diretas, vamos usar 16 gravadores posicionados em raio a partir do recinto de aclimatação,” ressalta.

Medalhas numeradas facilitarão identificar cada indivíduo após soltura, além de apresentar dados de sobrevivência e adaptação | Foto: Giovanna Rodrigues

Expectativas

A ideia é que essa seja a primeira de muitas reintroduções que precisam ser feitas para essa e outras espécies do Ceará, de acordo com Fábio Nunes. O repovoamento do Periquito Cara-Suja na Serra da Aratanha e em outras áreas históricas significa segurança contra sua extinção. “Atualmente, 80% da população dessa espécie encontra-se na Serra de Baturité. O risco de extinção por eventos de patógenos, fogo ou perda de variabilidade genética da população da Serra de Baturité pode ser atenuado com o repovoamento,” destaca.

Além disso, o pesquisador ressalta que a iniciativa pode criar novas frentes de ações que beneficiam outras espécies da região, como a criação de Unidades de Conservação, mais fiscalização contra crimes ambientais e engajamento da população local. Tais medidas são fundamentais também para combater uma das principais ameaças identificadas na região: a caça de animais silvestres.

O projeto de reintrodução conta com o apoio financeiro da Loro Parque FundaciónZoologische Gesellschaft für Arten und Populationsschutz (ZGAP)American Bird Conservancy; apoio logístico de Fernando Cirino, proprietário do Sítio Espírito Santo; apoio acadêmico e operacional da bióloga e doutoranda Giovanna Rodrigues; e de profissionais de diversas áreas, como o veterinário Leandro Rodrigues e a bióloga Suzete Bastos, do Criadouro Haras Claro; o zootecnista Mateusz Styczynski; e apoios institucionais como do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (Cemave)Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Ceará (Sema) e Batalhão da Policia de Meio Ambiente (BPMA).