Moda e sustentabilidade: como produzir com menos impacto ambiental?

Moda e sustentabilidade: como produzir com menos impacto ambiental?

A moda conta história, reflete personalidades e, entre fios e agulha, veste corpos e cria estilos. Mas, também, é uma das indústrias que mais polui – a segunda do mundo. Segundo dados da Organização das Nações Unidas, o setor é responsável por algo entre 8% e 10% das emissões dos gases de efeito estufa na atmosfera. Ao ano, 500 mil toneladas de microfibras sintéticas são despejadas nos oceanos.

Não à toa, reverter esse cenário e adotar medidas mais sustentáveis na cadeia produtiva é mais do que necessário. É a chave do futuro que queremos. A boa notícia é que empresas do mundo todo têm adotado estratégias de sustentabilidade que buscam, dia após dia, diminuir os impactos ambientais causados pela indústria da moda.

O Dafiti Group, maior fashiontech da América Latina, tem consciência de sua atuação no ecossistema da moda na região e tem atuado para repensar e inovar seus processos, reduzindo os impactos ambientes de forma responsável e se preocupando com o meio ambiente e também com as pessoas que fazem parte dessa cadeia. “As empresas precisam ter um papel ativo na agenda de ESG [sigla para Environmental, Social and Corporate Governance, ou seja, boas práticas ambientais]. O crescimento de uma empresa, mais do que nunca, precisa acontecer alinhado a essa agenda, que tem influência direta no nosso futuro e na sustentabilidade do negócio. Por aqui, já estamos com projetos em andamento, todos alinhados com essa mentalidade. Queremos ir além e gerar provocações em nossos parceiros, marcas e no ecossistema. Juntos nosso impacto amplia”, conta Cristiano Medeiros, Head de Sustentabilidade da companhia.

Geração de impacto positivo nas pessoas e no planeta

O Dafiti Group acredita que para revolucionar é preciso se preocupar com o impacto das atitudes de cada um, é preciso também pensar e trabalhar para um futuro promissor.

De acordo com o estudo “O futuro do e-commerce da moda”, desenvolvido pelo Dafiti Group e WGSN Mindset, a pandemia acelerou ainda mais as demandas por sustentabilidade, diversidade e inclusão, iniciativas que cada vez mais consumidores têm exigido dos varejistas. “Como varejistas de moda temos a responsabilidade não só de sermos mais sustentáveis em um setor com desafios neste tema, mas também de educar nossos clientes e o mundo sobre o assunto. Como resultado, impulsionamos toda a nossa cadeia de valor para compreender nosso impacto e papel de todos, de forma coletiva”, ressalta Medeiros.

Para a fashiontech, isso significa impactar cada vez mais positivamente todo o seu ecossistema de atuação. Não só entender, mas também assumir a responsabilidade de cada elemento da cadeia produtiva, revisando processos, relacionamentos, parcerias e estabelecendo objetivos e visões propositivas para o momento atual.

“Nosso primeiro desafio foi engajar as pessoas dentro da empresa. Nós temos um time de sustentabilidade, mas as outras áreas entendem a importância de trabalharmos o assunto. O tema deixa de ser uma responsabilidade somente de um setor específico para ser compartilhado por todos na companhia.”, afirma Medeiros.

Pilares para um mundo melhor (Foto: Arte Glab/Beatriz Chequetti/Danilo Vieira)
Pilares para um mundo melhor (Foto: Arte Glab/Beatriz Chequetti/Danilo Vieira)

Dafiti ECO

“Ok, quero comprar peças mais sustentáveis, mas elas são caras”. O Dafiti Group acredita que produtos sustentáveis podem ser acessíveis e inclusivos. Na plataforma Dafiti foi criado o Dafiti Eco: um espaço exclusivo para a venda de roupas e acessórios que priorizam a preocupação com o planeta e com as pessoas.

“O consumidor é carente de informação. Em nossas pesquisas eles dizem que querem produtos sustentáveis, mas não querem pagar a mais por isso – e está certo, somos nós que temos que oferecer o melhor produto pelo melhor preço – além disso, exigem transparência. Assim, nós procuramos deixar tudo muito claro. Na nossa loja Eco colocamos filtros para uma fácil navegação e informações que entregam bons conteúdos”, conta Cristiano Medeiros

Marcas parceiras precisam atender a pelo menos um dos requisitos (Foto: Arte Glab/Beatriz Chequetti/Danilo Vieira)
Marcas parceiras precisam atender a pelo menos um dos requisitos (Foto: Arte Glab/Beatriz Chequetti/Danilo Vieira)

Movimento ModaComVerso

Além de todas as iniciativas, o Dafiti Group também faz parte do ModaComVerso. Mas, o que é o ModaComVerso? É um movimento liderado pela ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil), uma entidade que busca monitorar as boas práticas da indústria da moda, além de alertar sobre os problemas e focar nas soluções. “É um enorme prazer para nós, do Dafiti Group, fazermos parte do Movimento e estarmos associados, há tantos anos, à ABVTEX. Como maior fashiontech da América Latina, compreendemos que nossa missão é a de gerar um impacto cada vez mais positivo em todo nosso ecossistema de atuação”, diz Andre Farber, CEO do Dafiti Group.

Composto pelas principais varejistas de moda do País, a ideia por trás do ModaComVerso, é dar luz aos esforços empreendidos pelas empresas e engajar ainda mais os varejistas do Brasil, trazendo sempre diálogos e discussões para transformar a cadeia de fornecimento em um lugar mais produtivo e cuidadoso. “Na prática, isso se concretiza com ações e atitudes, conosco assumindo a responsabilidade por cada elemento de nossa cadeia, revisando processos, relacionamentos, parcerias e estabelecendo objetivos e visões propositivas para o momento atual da moda”, finaliza.