Mau cheiro nas axilas? A culpa é não é sua, é da sua microbiota!

Mau cheiro nas axilas? A culpa é não é sua, é da sua microbiota!

Você já reparou um frequente mau odor em suas axilas? A culpa não é sua: é dos micróbios que vivem nessa região. Acontece que essa parte do corpo é quente e úmida, um verdadeiro paraíso para as bactérias. Embora a microbiota da axila consista de vários tipos de bactérias, ela é dominada pelas espécies Corynebacterium e Staphylococcus, que contribuem para o odor corporal.

E isso é científico! Evidências experimentais confirmam algo que nossos narizes sempre souberam: fatores incluindo genética, sexo e idade estão associados a diferenças individuais na composição da microbiota das axilas e formação de odores. À medida que os cientistas ganham maior conhecimento sobre as bases microbianas do odor corporal, eles estão surgindo com novas estratégias que controlam o odor, concentrando-se nas bactérias que o causam.

A química do odor se divide em duas classes principais: ácidos graxos voláteis (AGV) e tioalcoóis. Os tioalcoóis são compostos de enxofre que vêm em vários aromas. Para fazer esses ácidos, as bactérias usam enzimas especiais que cortam partes das moléculas de suor, que evaporam da pele, gerando assim o mau cheiro.

(Imagem: Vladdeep/envato)

Mas alguns fatores são importantes, como o sexo ou a idade. Um estudo já sugeriu que, em comparação com as participantes do sexo feminino, os participantes do sexo masculino tinham maior abundância de bactérias e um odor mais intenso nas axilas. Outro estudo, um pouco mais recente, examinou a microbiota das axilas de indivíduos em diferentes grupos etários descobriu que pessoas com 55 anos ou mais têm mais bactérias nas axilas do que aquelas de 18 a 50 anos.

Como acabar com o mau cheiro nas axilias

Algumas dicas valiosas podem ajudar você a se livrar, mesmo que brevemente, do mau cheiro corporal, mas saiba que são cuidados que devem ser feitos constantemente. Isso inclui o uso de sabonetes antissépticos na hora do banho, evitar umidade acumulada no local sempre que possível, utilizar roupas de algodão e realizar a troca de camisas e camisetas diariamente, e, claro, escolher um bom desodorante antitranspirante.