Macacos, tartarugas e cobras como animais de estimação: Europa teme novas zoonoses

Macacos, tartarugas e cobras como animais de estimação: Europa teme novas zoonoses

Não só gatos e cães, mas também macacos, tartarugas, cobras e peixes tropicais estão entre os milhões de animais exóticos que são arrancados do seu habitat todos os anos e vendidos como animais de estimação na Europa e em todo o mundo. No entanto, seu comércio representa mais um perigo, razão pela qual Chipre, Lituânia, Luxemburgo e Malta pediram à UE que legislasse sobre o assunto.

As delegações dos quatro países apresentaram à Comunidade Européia a proposta de limitar o número de espécies exóticas que podem ser consideradas animais domésticos na UE. Estabelecer uma lista positiva é a solução avançada para proteger a fauna exótica e selvagem em todos os Estados-Membros.

Há três pontos nos quais os quatro estados insistem:

  • conservação da biodiversidade
  • bem estar animal
  • saúde pública

“Todos os anos, milhões de animais selvagens são capturados de seus habitats naturais e vendidos em todo o mundo, destinados a uma vida em cativeiro. Está bem documentado que o comércio de espécies exóticas é uma grande ameaça à biodiversidade, colocando muitas espécies em perigo de extinção. Só na Europa, estima-se que existam mais de 100 milhões de animais domésticos (além de cães e gatos), incluindo pequenos mamíferos, aves, répteis, peixes e anfíbios. Muitas dessas espécies foram capturadas na natureza, esgotando as populações naturais e levando à perda da biodiversidade. Muitas dessas espécies selvagens são inadequadas para uma vida em cativeiro e sofrem muito com isso. Além disso, a propagação de zoonoses tem sido associada ao comércio de vida selvagem”, explica o Conselho Europeu.

O tráfico de animais exóticos destinados à vida em cativeiro é um dos principais fatores de perda de biodiversidade em escala global. De fato, foi documentado que a remoção de espécimes de seu ambiente natural expõe seus semelhantes à extinção.

Por último, mas não menos importante, existe o risco de introdução de espécies exóticas invasoras nas regiões europeias. Estes são capazes de dizimar não só as populações de animais indígenas, mas também causar sérios danos ao meio ambiente ao qual não pertencem. A UE estima que 12 bilhões de euros são gastos todos os anos para intervenções em espécies exóticas e seu monitoramento.

O comércio de animais exóticos também tem um enorme impacto no seu bem-estar, causando grande sofrimento e níveis muito elevados de stress nos animais capturados. De acordo com a Federação de Veterinários da Europa (FVE), espécies exóticas que entraram nos lares europeus foram diagnosticadas com problemas de saúde, depressão, automutilação e mortalidade precoce.

Outro tema é a disseminação de zoonoses, que é a transmissão de doenças e infecções de animais para humanos. É o caso do Covid-19, do Ebola ou da gripe aviária.

Estima-se que 70% das zoonoses sejam causadas por animais silvestres. Estes não devem viver em contato com humanos, pois sua evolução não inclui domesticação e vida em cativeiro que nenhum ser vivo deveria experimentar.

A proposta, incluída nos pontos do Conselho de Agricultura, foi discutida ontem, terça-feira, 24 de maio, em Bruxelas. Se aprovado, levará à promulgação de uma nova estrutura regulatória da UE que fortalecerá ainda mais a proteção de espécies exóticas e selvagens na Europa.