Filhote de mamute congelado de 30 mil anos é encontrado no Canadá

Filhote de mamute congelado de 30 mil anos é encontrado no Canadá

Um bebê de mamute foi encontrado congelado no permafrost do Canadá na última terça-feira (21), na primeira descoberta do tipo já feita na América do Norte. O animal pré-histórico mumificado pode ter mais de 30 mil anos de idade, segundo pesquisadores.

A descoberta aconteceu na região de Klondike, em Yukon. Garimpeiros teriam identificado algo estranho durante escavações ao sul de Dawson City, em uma área pertencente à Primeira Nação Tr’ondek Hwech’in. De acordo com o governo local, trata-se do “mamute mumificado mais completo encontrado na América do Norte”.

O bebê, que cientistas acreditam ser do sexo feminino, recebeu o nome de Nun cho ga, que significa “grande bebê animal” na língua Han, falada por povos nativos da área. “Nun cho ga é linda e um dos mais incríveis animais mumificados da era do gelo já descobertos no mundo”, disse o paleontólogo Grant Zazula.

Bebê mamute congelado encontrado no Canadá. Foto: Governo de Yukon
Bebê mamute congelado encontrado no Canadá. Foto: Governo de Yukon

Não é a primeira vez que pesquisadores identificam um bebê mamute mumificado: em 2007, outro animal foi encontrado em um permafrost na Sibéria. O mamute russo seria mais velho do que o canadense, com cerca de 42 mil anos. No entanto, os dois animais possuem aproximadamente o mesmo tamanho.

“Cemitério” de mamutes foi encontrado em 2021

Um gigantesco “cemitério” cheio de restos de mamutes foi encontrado em 2021 por pesquisadores em uma pedreira em Swindon, uma cidade no sudoeste da Inglaterra. Ao lado dos ossos, que estão ali provavelmente desde a última era glacial, segundo arqueólogos, também havia ferramentas de pedra feitas por Neandertais, incluindo um machado de mão e pequenas ferramentas de sílex conhecidas como raspadores, que eram usadas para limpar peles de animais frescas.

“Encontrar ossos de mamute é sempre extraordinário, mas encontrar ossos tão antigos e bem preservados, e tão perto de ferramentas de pedra de Neandertal, é excepcional”, disse Lisa Westcott Wilkins, cofundadora da DigVentures, equipe arqueológica de crowdsourcing, no Reino Unido, responsável pela escavação.