BNB aplica R$ 14,5 milhões em energia solar para pessoas físicas no CE em 2021

BNB aplica R$ 14,5 milhões em energia solar para pessoas físicas no CE em 2021

Às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática de 2021, a COP 26, a ser realizada na Escócia, entre 31 de outubro e 12 de novembro, evento estratégico para o repensar das emissões de gases geradores de efeito estufa, o BNB anuncia o crescimento em créditos para instalação de sistemas de geração de energia solar por pessoas físicas no Nordeste e norte de Minas Gerais e Espírito Santo.

Eusébio – CE. O advogado e funcionário público aposentado Antônio Barbosa Góis  pesquisou sobre os benefícios da energia solar para o meio ambiente e descobriu que essa fonte renovável de energia se destaca em relação às demais principalmente pela economia. Há alguns anos, ele procurou uma agência do Banco do Nordeste (BNB) e contratou financiamento para instalação de placas solares fotovoltaicas em sua residência, no Eusébio, município da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Segundo Antônio, após a instalação das placas, houve uma significativa redução nos valores mensais das faturas. Hoje, o valor das parcelas do financiamento, somado à conta de energia atual, é quase o mesmo de sua antiga fatura de energia. Quando quitar a operação, a economia será ainda maior.

De janeiro a setembro deste ano, as aplicações do BNB no Ceará, no âmbito do FNE Sol Pessoa Física, somaram R$ 14,5 milhões, em mais de 400 operações de crédito. O valor representa crescimento de 39,96% na comparação com igual período do ano anterior.

O advogado e funcionário público aposentado Antônio Barbosa Góis observou, após a instalação das placas, uma significativa redução nos valores mensais das faturas

Tendência crescente no NE

Desde 2019, ano em que o BNB passou a financiar pessoas físicas no âmbito do FNE Sol, as contratações nesse segmento de mercado apresentam tendência crescente, em toda a Região Nordeste e norte dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo. De janeiro daquele ano a setembro último, foram disponibilizados mais de R$ 295 milhões em recursos, por meio de 9.370 operações, beneficiando mais de 46 mil pessoas.

Em 2021, a instituição já aplicou R$ 103 milhões para este público, na posição de 30 de setembro, o que representa um incremento de 31% em relação ao realizado em igual período do ano passado. O montante já supera as contratações de 2019 (R$ 86,6 milhões) e já está próximo da marca de 2020 (R$ 112,9 milhões).

“Em vista do bom desempenho da linha, e com o intuito de atender à demanda crescente de financiamento, o Banco já se articula junto à Sudene para ampliar a meta programada para 2021, de R$ 80 milhões para R$ 120 milhões, e definir o montante de R$ 145 milhões para a Programação do FNE 2022″, informa o superintendente de Negócios de Varejo e Agronegócio do BNB, Luiz Sérgio Farias Machado.

Menos impacto e mais economia

“A energia solar fotovoltaica é considerada uma alternativa energética promissora para enfrentar os desafios da expansão da oferta de energia com menor impacto ambiental. O FNE Sol é uma ação inovadora que leva o cliente pessoa física ao papel de gerador de energia, promove a disseminação junto à comunidade e melhora a vida da sua família”, afirma o presidente do Banco do Nordeste, Anderson Possa.

Um dos benefício da linha é que, após o período de amortização do financiamento, não existe mais o custo com energia elétrica e toda a energia solar gerada faz a compensação na conta mensal, reduzindo os custos da unidade familiar.

Protagonismo regional

Segundo estudo do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), o Nordeste sedia 18,9% da geração fotovoltaica distribuída do País. Até 2030, a região deve estar com a potência instalada entre 16,8 GW e 24,5 GW, a depender das regras a serem adotadas na revisão do marco legal da Micro e Minigeração Distribuída (MMGD) e de alterações no modelo tarifário da baixa tensão.

O Nordeste também deve ser mais contemplado nos investimentos previstos em energia solar, em função de sua elevada competitividade nessa atividade. “Essa Região, em particular sua porção semiárida, onde a elevada irradiação está associada à ocorrência de baixa precipitação e menor cobertura de nuvens ao longo do ano, se credencia a ser o destino prioritário de investimentos em geração de energia elétrica a partir da fonte solar”, avalia o pesquisador Francisco Diniz Bezerra, do Etene.