Tigre-de-Sumatra morre de fome e sede após ficar preso em armadilha

Tigre-de-Sumatra morre de fome e sede após ficar preso em armadilha

Um tigre-de-Sumatra, espécie criticamente ameaçada de extinção, foi encontrado morto após ficar preso em uma armadilha montada por caçadores na ilha de Sumatra, na Indonésia. Estima-se que há apenas 400 indivíduos da espécie vivendo livremente na natureza e em seu habitat.

O animal selvagem, que na verdade é uma fêmea, tinha cerca de cinco anos e foi encontrado próximo à reserva de vida selvagem Bukit Batu, no distrito de Bengkalis, na província de Riau. A necropsia indicou que a tigresa morreu de desidratação após ficar cinco dias presa na armadilha.

Além de sofrer com a fome e a sede, o animal também estava com uma das patas fraturadas. Autoridades ambientais iniciaram uma investigação para punir os responsáveis pela armadilha. A espécie entrou em declínio crítico em razão da caça e da destruição de seu habitat.

Especialistas afirmam que, infelizmente, durante a pandemia de Covid-19 o número de animais mortos por caçadores aumentou drasticamente. Aldeões afirmam que precisaram recorrer ao tráfico de animais para sobreviver em razão da redução da oferta de trabalho e ocupações.

Foto: Reprodução | Daily Mail

Recentemente, três tigres-de-Sumatra, uma fêmea adulta e dois filhotes foram encontrados mortos após também ficarem presos em uma armadilha na Área do Ecossistema Leuser, uma região de conservação de tigres na província de Aceh.

Tigres não são os únicos alvos, em julho, um elefante foi encontrado decapitado. Um homem foi preso pela morte do animal e mais quatro pessoas também foram detidas por receptação e compra de marfim obtido do elefante morto.

Em junho, quatro homens foram presos por assassinarem um tigre-de-Sumatra e venderem as partes do animal para a produção de supostos medicamentos tradicionais asiáticos, além de acessórios feitos com as garras e dentes do animal.