Fazenda futurística lembra fábrica e gasta 250 vezes menos água

Fazenda futurística lembra fábrica e gasta 250 vezes menos água

Uma grande fazenda do futuro pode não se parecer em nada com as enormes extensões de terra cultivadas hoje por grandes máquinas agrícolas.

A empresa Nordic Harvest abriu as portas de sua fazenda experimental nos arredores de Copenhague, na Dinamarca, para mostrar como pretende fazer agricultura ambientalmente correta.

Por fora, é apenas um barracão, em nada diferente dos vistos nas áreas industriais de qualquer parte do mundo.

No interior, porém, 14 andares de prateleiras acomodam plantações de alface, couve, brócolis e inúmeros outros vegetais de folhas, além de ervas medicinais e para temperos.

Se você está pensando em uma grande estufa mais moderna, saiba que a fazenda futurística nem mesmo usa solo: As plantas são cultivadas em um gel rico em nutrientes, que se dissolve na água conforme as plantas crescem.

Isso significa que a fazenda consome 250 vezes menos água do que as fazendas agrícolas, 80 vezes menos do que as estufas e algumas vezes menos do que as técnicas tradicionais de hidroponia. E também requer 250 vezes menos espaço, segundo a empresa.

Fazenda futurística lembra fábrica e gasta 250 vezes menos água

O Sol é substituído por LEDs e os agrotóxicos são desnecessários porque as pragas ficam do lado de fora do barracão.
[Imagem: Nordic Harvest]

Agricultura ambientalmente correta

Todo o plantio, cuidado e colheita é feita por equipamentos automatizados, que a empresa chama de “robôs”, embora os mecanismos sejam em tudo similares à automação de qualquer fábrica industrial.

Mas há uma diferença fundamental em relação às fazendas tradicionais: Como as plantas ficam dentro de um barracão, elas não podem depender do Sol.

Em vez disso, LEDs de cores selecionadas iluminam as plantas de forma controlada, em termos tanto de intensidade quanto de duração, aumentando o tempo de claridade até obter o máximo de rendimento.

Também não é necessário usar agrotóxicos ou qualquer pesticida, uma vez que pragas e insetos ficam do lado de fora do barracão.

E do lado de fora também ficam as turbinas eólicas que alimentam todo o sistema, garantindo uma produção agrícola totalmente não poluente e ambientalmente benigna – na verdade, a empresa precisa comprar CO2 para “alimentar” suas plantas.