Dietas com mais gorduras podem ajudar a aumentar a testosterona, mostram estudos

Dietas com mais gorduras podem ajudar a aumentar a testosterona, mostram estudos

Em contrapartida, dietas veganas ricas em soja podem reduzir os níveis deste hormônio nos homens

Muitos homens, principalmente à medida que envelhecem, se preocupam com seus níveis de testosterona, o hormônio masculino que faz crescer músculos e aumenta o apetite sexual e o vigor. Mas é improvável que os alimentos por si só tenham impacto nos níveis de testosterona — embora o consumo de quantidades excessivas de álcool possa ter. Se você está acima do peso, alterar sua dieta para emagrecer pode ajudar, uma que o sobrepeso é uma causa comum de baixa testosterona. Mas em termos de alimentação ou dietas específicas, qualquer mudança que você faça pode não ter um impacto perceptível na libido, disposição ou massa muscular.

— Se um homem não tem sobrepeso, eu não o colocaria em uma dieta específica para aumentar a testosterona com base nos dados que temos hoje — disse Alexander Pastuszak, professor assistente de urologia e cirurgia da Universidade de Utah nos EUA, que foi coautor de uma revisão sobre alternativas à terapia com testosterona.

Nos homens, os níveis normais de testosterona variam de 300 a 1.000 nanogramas por decilitro de sangue. Os altos e baixos dentro dessa faixa normal provavelmente não terão impacto no desejo sexual ou na vitalidade. Somente quando os níveis caem consistentemente abaixo de 300 pontos é que sintomas como baixa libido, disfunção erétil, fadiga, mau humor ou perda de massa muscular podem aparecer, uma condição médica conhecida como hipogonadismo.

A partir dos 40 anos, os níveis de testosterona nos homens começam a diminuir cerca de 1% ao ano. Mas a queda pode variar enormemente, com alguns homens mais velhos mantendo níveis semelhantes aos de homens jovens saudáveis. A trajetória da queda da testosterona é mais íngreme entre os homens que ganham muito peso, disse Shalender Bhasin, professor de medicina em Harvard e diretor do Programa de Pesquisa em Saúde Masculina: Envelhecimento e Metabolismo do Brigham and Women’s Hospital.

Estudos sobre alimentos ou dietas e níveis de testosterona têm sido geralmente discretos e os resultados longe de conclusivos. Uma recente revisão britânica que reuniu dados de 206 voluntários, por exemplo, descobriu que homens em dietas ricas em gordura tinham níveis de testosterona cerca de 60 pontos mais altos, em média, do que homens em dietas pobres em gorduras. Homens que seguiram uma dieta vegetariana tendem a ter os níveis mais baixos de testosterona, cerca de 150 pontos abaixo, em média, do que aqueles que seguem uma dieta rica em gordura à base de carne. Ainda assim, Joseph Whittaker, o autor principal e nutricionista da Universidade de Worcester, no Reino Unido, disse que não recomendaria a um homem aumentar as gorduras em sua dieta a menos que tivesse níveis baixos de testosterona e sintomas de hipogonadismo e já estivesse restringindo as gorduras.

Outro estudo no Journal of Strength and Conditioning Research testou dois estilos de dieta em 25 homens saudáveis com idades entre 18 e 30 anos. As calorias consumidas eram as mesmas, mas um grupo ingeriu uma dieta cetogênica com alto teor de gordura e baixíssimo teor de carboidratos, consistindo em 75% das calorias vindas de gorduras, 5% de carboidratos e 20% de proteínas. Os homens do outro grupo consumiram uma dieta ocidental mais tradicional, com apenas 25% das calorias provenientes das gorduras, 55% dos carboidratos e 20% das proteínas. Após 10 semanas de ingestão da dieta rica em gordura, a testosterona aumentou 118 pontos, em média, ao passo que após a dieta pobre em gordura, os níveis diminuíram cerca de 36 pontos.

Da mesma forma, um estudo com 3 mil homens descobriu que aqueles que relataram consumir uma dieta com baixo teor de gordura tinham níveis de testosterona ligeiramente mais baixos — cerca de 30 pontos a menos— do que os homens que comeram dietas com alto teor de gordura. Mas nenhum dos homens tinha testosterona baixa.

— A moral é que homens saudáveis com peso normal sem comorbidades significativas provavelmente não se beneficiarão de dietas restritivas — disse Richard J. Fantus, um dos autores do estudo e urologista do Sistema de Saúde da Universidade NorthShore em Evanston, Illinois.

Estudos sobre dietas são complicados porque a mudança de um componente da alimentação, como a ingestão de gordura, altera muitas outras coisas, como a quantidade de carboidratos, proteínas e micronutrientes consumidos. Não está claro qual componente da dieta pode ter causado as mudanças hormonais, disse Bhasin. Além disso, os níveis de testosterona também podem ser influenciados por quanto uma pessoa dorme, ou se ela sofre de distúrbios do sono, ainda que temporários, ou se está ingerindo a maior parte de suas calorias à noite ou em pequenas refeições ao longo do dia.

Faysal Yafi, chefe da divisão de Saúde Masculina e Urologia Reconstrutiva da Universidade da Califórnia em Irvine diz que seus pacientes que optam por seguir dietas específicas tendem a começar a se exercitar mais e a beber menos álcool, o que pode elevar os níveis de testosterona. Ele suspeita que qualquer ligação entre dieta e testosterona pode ser o resultado de um estilo de vida mais saudável em geral.

Alguns homens temem que comer muitos alimentos à base de soja possa fazer com que seus níveis de testosterona caiam, porque a soja é rica em isoflavonas, que imitam a estrutura do estrogênio. Mas a evidência não apoia suas preocupações, mesmo que os homens comam alimentos como missô, tofu ou leite de soja em todas as refeições.

O abuso de álcool a longo prazo reduz a testosterona ao danificar as células dos testículos, que produzem o hormônio, e do fígado, que altera o metabolismo da testosterona. Mas a bebedeira de vez em quando não parece ter muito impacto — diminui a testosterona por apenas cerca de 30 minutos, de acordo com um estudo, com os níveis voltando ao valor basal após este tempo.

Homens obesos com baixos níveis de testosterona podem aumentar os níveis cortando calorias e perdendo peso — o tipo de dieta não importa, sugerem os estudos. No extremo oposto, Bhasin disse que está vendo um número crescente de homens em sua clínica que têm problemas de dismorfia corporal e sofrem de baixa libido e fadiga. Restrição calórica estrita, exercícios intensos e estresse crônico podem fazer com que os níveis de testosterona caiam e são provavelmente os culpados, disse ele.

O resultado final é que, para homens saudáveis que seguem um estilo de vida razoavelmente saudável, brincar com alimentos específicos ou a composição da dieta provavelmente não fará muita diferença no cartão de pontuação de testosterona.

— Não acho que haja uma maneira de burlar o sistema para obter aumentos (de testosterona) realmente grandes mudando a dieta — disse Fantus, da NorthShore University.