Chegada da primavera promete mais chuva para grande parte do país

Chegada da primavera promete mais chuva para grande parte do país

No entanto, especialistas afirmam que volume previsto está abaixo do necessário para regularizar a situação da crise hídrica

Nesta quarta, 22 de setembro, começa a estação das flores. O equinócio da primavera no Hemisfério Sul vai acontecer às 16h21 e a estação se estende até às 12h59 do dia 21 de dezembro de 2021, quando começa o verão.

Geralmente, a chegada da primavera significa o fim da estação seca e a volta da chuva regular na maior parte do país, menos no Nordeste, onde o tempo seco e o calor predominam e em trechos da região Norte, em áreas como Roraima, o Amapá, o norte do Pará e do Amazonas. Mas, segundo o instituto Climatempo, a primavera de 2021 deve ter a companhia da La Niña, fenômeno que deve proporcionar um aumento da chuva sobre a Região Norte.

Depois de dar as caras no verão último verão, a La Niña muito provavelmente volta ainda este ano, já que os principais centros de monitoramento do mundo apontam que o evento climático está completamente configurado e deve acontecer na virada de setembro para outubro.

Climatempo prevê que na maior parte da primavera teremos temperaturas médias mensais dentro e acima da media normal, em praticamente todo o Brasil. Novas ondas de calor não estão descartadas, porém não devem ser tão intensas quanto a observada na primavera de 2020, quando várias regiões do país bateram recordes históricos. O instituto prevê ainda que o aumento da chuva em novembro deve fazer com que grande parte do Sudeste e do Centro-Oeste fiquem menos quente.

Falando de chuva, em setembro precipitações mais frequentes e volumosas devem ser observadas no Rio Grande do Sul, em Mato Grosso do Sul, Rondônia, Acre e Amazonas. Outubro e novembro devem ser meses com aumento da frequência e do volume de chuva sobre o Sudeste, Centro-Oeste e principalmente o Norte do Brasil.

Infelizmente, apesar da tendência de chuva acima da média em áreas importantes para o abastecimento dos reservatórios para geração de energia do país, o volume de chuva não deve ser suficiente para regularizar a situação da crise hídrica.